Alto contraste Modo escuro A+ Aumentar fonte Aa Fonte original A- Diminuir fonte Linha guia Redefinir
Sindicato dos Servidores das Justiças Federais no estado do Rio de Janeiro - Telefone: (21) 2215-2443

Sisejufe participa de Plenária Unificada do Funcionalismo do Rio de Janeiro

Representantes de diversas categorias, entidades sindicais e movimentos sociais se reuniram para definir posicionamentos dos servidores públicos das esferas municipal, estadual e federal no RJ contra Reforma Administrativa e outros temas

Sisejufe participa de Plenária Unificada do Funcionalismo do Rio de Janeiro, SISEJUFE


O Sisejufe esteve presente, com seus diretores Soraia Marca, Anny Figueiredo e Lucas Costa, na Plenária Unificada do Funcionalismo do Rio de Janeiro, ocorrida de forma virtual na terça-feira (27/07). O encontro tinha como objetivo debater as lutas unificadas dos servidores públicos das três esferas da federação lotados no estado.

No contexto de desmonte da estrutura do Estado, de ataques ao serviço público e aos direitos dos servidores, o foco central da Plenária foi o de propor formas de organização para classe trabalhadora fluminense no setor público, com o propósito imediato de barrar a tramitação da PEC 32/2020 (reforma administrativa).

Na dinâmica do evento, foram apresentados informes para compartilhar a maneira como as entidades têm realizado as lutas contra a reforma administrativa e o desmonte do Estado. Dentre os encaminhamentos, ficou estabelecido um calendário de lutas e uma agenda com diversas atividades para dialogar com a população e agir contra a PEC 32.

Também foi encaminhada a centralidade do próximo 18 de agosto como dia de paralisações, mobilizações e greves. O ato terá como eixos a luta contra a Reforma Administrativa, contra Novo Regime de Recuperação Fiscal do RJ, e contra o marco temporal, a ser julgado em 25 de agosto. Além disso, outras pautas da mobilização serão a reivindicação de direitos sociais, de orçamento para as universidades públicas e o investimento na pesquisa, ciência e tecnologia.

O diretor do Sisejufe, Lucas Costa, informou na reunião que o sindicato ainda não realizou assembleia para deliberação sobre a paralisação e destacou ser fundamental a confirmação imediata desse calendário nacional de lutas, para que haja tempo das categorias se organizarem.

Destacou, além disso, que o sindicato tem participado ativamente de todos os eventos convocados pelas centrais sindicais, com equipes de apoio, carros de som, camisetas e máscaras personalizadas “Em Defesa do Serviço Público”, cartazes e faixas para divulgação da campanha #VaiPiorar, além do fornecimento de itens de proteção sanitários.

Nos informes, foi destacado também que o Sisejufe tem divulgado a realização das manifestações presenciais, para comparecimento daqueles que se sentirem seguros, com orientações claras sobre o distanciamento, uso de máscaras, “face-shields” e limpeza das mãos.

Os representantes do Sisejufe informaram, ainda, que o sindicato tem investido fortemente em campanhas contra a Reforma Administrativa, como é o caso da campanha “VAI PIORAR”. Foi reforçada a necessidade de aumentar a pressão sobre parlamentares no Estado do RJ e nas cidades de base dos deputados que compõem a Comissão Especial na Câmara dos Deputados.

Os organizadores fizeram o levantamento das propostas encaminhadas pelos participantes e iniciaram um debate para que fosse definida a aprovação de um eixo central por consenso.

Na intervenção realizada pelo Sisejufe, Lucas recordou que em 18 de março de 2020 já existia a definição de uma forte mobilização do setor público para uma paralisação de 24h, no chamado 18M, e lembrou também do ato realizado no dia 12 de agosto daquele ano no auditório Nereu Ramos, na Câmara dos Deputados.

“A classe trabalhadora vinha se organizando para resistir aos ataques que visavam o desmonte do Estado e a desestruturação do serviço público. Na época a luta era contra a reforma da Previdência e fomos atropelados durante a pandemia, sendo obrigados a ver esse enorme retrocesso no país e a perda de uma série de direitos”, ressaltou.

O diretor destacou a importância de acompanhar as estratégias definidas pela Frente Parlamentar Mista do Serviço Público e elogiou a realização do Encontro Nacional dos Servidores Públicos como evento essencial para organização da luta dos quase 12 milhões de trabalhadores desse setor no país. No entanto, criticou o atraso das centrais em focar na organização desse setor em momentos anteriores, especialmente diante dos ataques aos direitos dos trabalhadores e organizações sindicais ao longo dos últimos anos.

Após a realização dos debates, ficaram inicialmente aprovadas as seguintes propostas:
1. Constituir comissão política da Plenária;

2. Centralidade no dia 18/8/21 como dia de paralisações, mobilizações e greves;

3. Nova Plenária Unificada marcada para dia 4/8;

4. Documento para as centrais assumirem o calendário do ponto de vista teórico e prático;

5. Indicar a plenária nacional a inserção na mídia tradicional, com objetivo de ampliar a divulgação da luta contra a reforma administrativa;

6. Que as centrais pautem a proposta do dia 18 para o setor privado, no sentido de construção de um calendário unificado da classe trabalhadora.

As questões debatidas no encontro e aprovadas devem ser encaminhadas junto ao Encontro Nacional dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Setor Público, a ser realizado nos próximos dias 29 e 30 de julho, para o qual todos foram orientados a se inscrever e no qual devem se fazer presentes em torno de mil funcionários públicos de todo o país.

A Comissão Política da Plenária foi definida por consenso, com seis representantes, sendo dois servidores de cada ente federativo (esferas municipal, estadual e federal), ficando o diretor do Sisejufe Lucas Costa, como um dos componentes para representação dos servidores federais.

O grupo deve se reunir no início de semana que vem para compilar todas as propostas e elaborar documento a ser deliberado na próxima plenária, designada para o dia 04 de agosto.

Últimas Notícias