SINDICATO DOS SERVIDORES DAS JUSTIÇAS FEDERAIS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO
REDES SOCIAIS
YouTube

Sindicato esclarece servidores sobre situação do plano de saúde

Nova reunião está prevista para os próximos dias

Na tarde da última terça-feira (30/8), o presidente do Sisejufe, Valter Nogueira, a diretora Fernanda Lauria e a funcionária do sindicato Simone Borges reuniram-se no auditório do Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ)  com servidores da capital e das zonas eleitorais de Niterói,  para discutir a situação da Unimed-Rio. No encontro, foi feito um diagnóstico da saúde suplementar  no Estado do Rio de Janeiro.

Valter iniciou sua fala informando acerca da preocupação da direção do sindicato com a situação política pela qual passa a cooperativa. No entendimento dos dirigentes, a Unimed-Rio tem vivido uma crise muito mais política do que econômica e financeira. O sindicato espera que, com a eleição da nova diretoria da cooperativa, o quadro se normalize e o plano possa retomar seu padrão de atendimento.

“Hoje, os principais órgãos de controle (ANS, MPF e defensorias) constituíram uma força-tarefa para acompanhar de perto toda a gestão da cooperativa. Esse grupo entende que a Unimed-Rio é uma operadora extremamente importante para o sistema de saúde suplementar do Rio de Janeiro e tem todas as condições de se manter no mercado de saúde, mas que é preciso que a direção da cooperativa tome as providências necessárias, entre elas, o aporte financeiro por parte dos médicos cooperados. Segundo a imprensa, esse montante seria da ordem de R$ 200 milhões, em 2016.”

No encontro com os servidores, além das informações prestadas sobre situação da Unimed-Rio, Valter informou que o sindicato, juntamente com a Qualicorp vem buscando alternativas caso a falta de atendimento não se resolva, o que levaria necessariamente à migração para um outro plano de saúde, com a garantia  do mesmo padrão oferecido pelo atual: sem  nenhuma carência, com os mesmos valores, mesma rede de atendimento clínico, laboratorial e hospitalar e cobertura nacional.

Valter disse que o maior problema enfrentado pelos servidores associados ao plano do sindicato está no atendimento da Unimed-Leste Fluminense, área que abrange um número de 507 pessoas assistidas.

“Segundo contatos feitos tanto com a Unimed-Rio quanto com a Qualicorp, os problemas tendem a ser resolvidos, mas se isso não ocorrer, a solução seria a migração para outro plano, que poderia ser a própria Leste Fluminense”, observou Valter.

Se não houver atendimento, sindicalizado deve procurar o Departamento Jurídico do sindicato

Valter ressaltou que nenhum atendimento pode ser suspenso . “Nenhum cooperado, seja médico, clínica ou instituição hospitalar, pode negar atendimento a qualquer usuário que esteja em dia com a sua mensalidade. Esse é um procedimento ilegal e, caso ocorra, o sindicalizado deve entrar imediatamente em contato com nosso setor jurídico para que sejam tomadas as providências a partir de uma ação de cumprimento do atendimento e perdas e danos”.

Outras possibilidades

Alguns servidores presentes à reunião no auditório do TRE sugeriram que o sindicato apure informações sobre outras redes menos conhecidas, que poderiam ser  alternativas ao atual contrato. Foram citadas as redes Caberj e Pame. Valter se comprometeu em apresentar os dados dessas redes na próxima reunião da entidade com os servidores.

Negociação do Sindicato resulta em reajuste menor para servidores

O presidente do Sisejufe lembrou que os custos com assistência médico-hospitalar têm sido superiores à inflação no Brasil. A chamada inflação médica, que em 2015 ficou em torno de 18%, é um fator que influencia diretamente as despesas dos planos de saúde. O índice reflete a variação de preços de serviços médicos e hospitalares, incluindo ainda laboratórios, clínicas, hospitais, entre outros itens. Pelas projeções da Confederação Nacional de Saúde (CNS), a inflação médica deve atingir uma alta de 20%, em 2016.

A correção de 17,5% de 2015, obtida em negociação do sindicato com a rede Unimed-Rio, ficou abaixo da inflação médica e levou em conta o peso da sinistralidade dos usuários  que aderiram ao plano de saúde coletivo da categoria. A sinistralidade é o resultado dos gastos quando os clientes usam os serviços. Quanto mais os itens do plano são utilizados, maior é o custo final. O índice de sinistralidade previsto no contrato do Sindicato com a Unimed-Rio é o adotado pelo mercado, de 70%. A média das demais redes está em torno de 80%, chegando até a 90%, em alguns casos.

Fonte: Imprensa Sisejufe

Compartilhe