Alto contraste Modo escuro A+ Aumentar fonte Aa Fonte original A- Diminuir fonte Linha guia Redefinir
Sindicato dos Servidores das Justiças Federais no estado do Rio de Janeiro - Telefone: (21) 2215-2443

Frente Mista discute seminário e mobilização nacional em defesa do serviço público

Mais uma vez Fenajufe chama atenção sobre necessidade de apoio ao PL de suspensão do pagamento dos consignados e do adiamento das eleições

Frente Mista discute seminário e mobilização nacional em defesa do serviço público, SISEJUFE

Parlamentares e Entidades que compõem a Frente Parlamentar Mista do Serviço Público realizaram nesta segunda-feira, 10, mais uma reunião de trabalho. A Fenajufe foi representada pelos coordenadores Edson Borowski e Isaac Lima, plantonistas da semana.

Na pauta, a avaliação da conjuntura político-econômica no momento e a situação dos servidores públicos frente as novas medidas anunciadas pelo governo Bolsonaro.

Em sua participação ao levar informes da Federação para conhecimento dos demais integrantes, Edson Borowski foi incisivo ao colocar a posição da Fenajufe defendendo que a frente trabalhe pela aprovação do PL 1328/20 (Consignados). Outro ponto levantado pelo dirigente foi a importância de a Frente ficar atenta sobre a necessidade de adiamento das eleições frente a pandemia, conforme previsto pela EC-107.

O alerta da Federação é reforçado frente às mais de 100 mil mortes no país, decorrentes da política genocida de Jair Bolsonaro, Mourão e Paulo Guedes, com apoio de Rodrigo Maia.

Aproveitando o momento caótico provocado pela pandemia da Covid-19, a avaliação majoritária é que o Palácio do Planalto passou a prescindir do Legislativo para aprovar alterações que atendem aos interesses específicos dos mais ricos.

É o caso das medidas provisórias editadas com o objetivo de caducarem. O governo edita a MP estabelecendo normas infralegais que perderão a validade posteriormente, mas não terão os efeitos revogados.

Some-se a isso a má vontade do presidente do Senado – Davi Alcolumbre (DEM/AP) em pautar vetos e a estranha gana do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM/RJ) em acabar com os serviços públicos, e o desenho final fica feio, muito feio, principalmente para o brasileiro de baixa renda que precisa da Saúde e Educação públicas para sobreviver.

Na discussão, restou encaminhada a organização de evento nacional, ainda que na forma de seminário, com o objetivo de aprofundar a discussão sobre a situação dos serviços públicos brasileiros e para levar o debate às diversas camadas da sociedade.

Para ampliar o debate, uma reunião organizativa deverá ser realizada no sábado e Frente, que iria reunir-se em 15 dias, chamou nova reunião para a segunda-feira, 17.

Fonte: Luciano Beregeno, da Imprensa Fenajufe

Últimas Notícias