SINDICATO DOS SERVIDORES DAS JUSTIÇAS FEDERAIS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO
REDES SOCIAIS
YouTube

SISEJUFE PRESSIONA GloboNews para retificar informação sobre reajuste dos ministros do STF

Emissora divulgou erradamente que aumento também contemplará servidores

 

A direção do Sisejufe fará campanha para pressionar a GloboNews a retificar a informação divulgada de que o reajuste de 16,38% aprovado pelo Senado para os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) também contemplará os servidores do Judiciário Federal. Seguindo orientação da Fenajufe, o sindicato conclama a categoria no Rio a enviar mensagens à emissora questionando a legenda que ilustrou matéria do repórter Vinicius Leal, veiculada na quarta-feira (7/11), no Edição das 18 da GloboNews.  Na tela da TV, apareceu a frase: “Senado decide aprovar reajuste  para servidores do Judiciário”. A diretoria do Sisejufe ressalta que a informação é completamente equivocada. E por conta disso, encaminhará ofício à direção da empresa exigindo a retratação.

Os servidores podem questionar a GloboNews, que faz parte do Grupo Globo, enviando mensagens pelos canais: Atendimento ao Cidadão: 4002-2884; Twitter: @GloboNews; Facebook: https://www.facebook.com/GloboNews/; e também https://falecomaglobonews.globo.com/.

A Fenajufe sugeriu que os servidores encaminhem a seguinte mensagem: “Exijo que seja corrigida o mais rápido possível, informação veiculada no jornal Edição das 18 desta quarta-feira, 7, quando da passagem do repórter Vinicius Leal, sobre a aprovação pelo Senado, de aumento de 16,38% para MINISTROS DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL.

O aumento beneficia APENAS OS MINISTROS DO STF e não atinge os SERVIDORES do Poder Judiciário. Da mesma forma, o reajuste aprovado para o Procurador-Geral da República, recai APENAS sobre o próprio Procurador-Geral e para os Membros da pasta, NÃO ATINGINDO SERVIDORES, que continuam com salários congelados e defasados, com perdas acumuladas de mais de 41%”.

“Não é de hoje que a Rede Globo ataca o serviço público, os servidores do Judiciário Federal e os servidores públicos de modo em geral. O Sisejufe está atento e questionará a emissora, assim como fez na ocasião em que também veiculou matérias com informações infundadas sobre a remuneração da categoria. A forma de abordagem das reportagens acaba reforçando o processo de desqualificação dos servidores além de favorecer o desmonte do serviço público. Abre condições para intensificar o projeto de privatização e terceirização”, denuncia Soraia Marca, diretora do Sisejufe.

A dirigente sindical se refere à ocasião em que a Globo veiculou informações sobre os servidores do Judiciário Federal que não eram verdadeiras. Tanto que o Sisejufe entrou com processo na Justiça solicitando direito de resposta a respeito de informações equivocadas sobre a remuneração do funcionalismo  transmitidas em prejuízo à imagem de toda categoria.

Relembre o caso

Em 1º de fevereiro de 2018, o sindicato ingressou com ação coletiva para que fosse retirado o conteúdo do “Jornal Nacional” e o site G1 que divulgaram  informações inverídicas, contrárias às tabelas remuneratórias dos servidores do Poder Judiciário Federal. Naquela  oportunidade, destacaram a diferença entre o salário de um servidor federal e o de um trabalhador da iniciativa privada no país, apresentando dados destoantes da realidade, o que induzia a uma percepção equivocada dos servidores públicos, de seus regimes remuneratório e previdenciário, destacando a categoria como “um grupo de privilegiados”.

A direção do Sisejufe considerou que os conteúdos reforçavam os ataques que o funcionalismo público recebe, tendo em vista campanhas difamatórias de desqualificação dos servidores, que resultam na falsa imagem de culpados por crises econômica que o país volta e meia atravessa.

Na concepção da Assessoria Jurídica da entidade, houve abuso de liberdade de informar e, em situações como essas, o ordenamento jurídico assegura o direito de resposta ou retificação do ofendido de forma gratuita e proporcional ao agravo. O processo foi distribuído em 1º de fevereiro, à 43ª Vara Cível do Rio de Janeiro e recebeu o nº 0023536-08.2018.8.19.0001.

 

Fonte: Imprensa Sisejufe

Compartilhe