SINDICATO DOS SERVIDORES DAS JUSTIÇAS FEDERAIS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO
Instagram YouTube

Sisejufe se prepara para novas lutas e conquistas

Diretoria reafirma luta pelo Nível Superior para técnicos e defesa desse pleito no Congrejufe em Planejamento Estratégico

A direção do Sisejufe esteve reunida neste final de semana para planejar os rumos da entidade em 2016. “Após acertarmos a reposição, precisamos nos preparar para novos embates: a diminuição da diferença salarial entre técnicos e analistas, a luta pela jornada de seis horas e o adoecimento da categoria. Também devemos estar atentos aos impactos do teletrabalho na vida dos servidores”, destacou o presidente do Sindicato, Valter Nogueira Alves. O encontro foi realizado nos dias 26, 27 e 28 de fevereiro, na Associação dos Aposentados e Funcionários do Banco do Brasil, em Xerém. O planejamento reafirmou ainda a luta pelo Nível Superior para técnicos e defesa desse pleito no congresso.

Valter

“Vamos continuar trabalhando para que o Sisejufe continue na vanguarda nacional, falando a verdade para os servidores”, disse o dirigente. O sindicato do Rio de Janeiro é o segundo maior do país em número de filiados e o terceiro em número de servidores representados. “Também é momento de nos prepararmos para os ataques que virão no próximo período”, acrescentou. Valter criticou ainda, a postura dos magistrados. “O crescimento do Judiciário nos últimos anos não foi em benefício da população, mas para titularizar cargos de juízes federais.”

Na abertura, o assessor parlamentar Alexandre Marques fez uma análise de conjuntura. Ele salientou a importância das entidades sindicais para a organização dos servidores. “A nova diretoria da Fenajufe deve ser forte, composta por pessoas experientes, que busquem a unidade. Ele acredita que entre os principais temas que a categoria irá enfrentar, estão o plano de carreira, a Reforma da Previdência e os cortes no orçamento do Judiciário.

A assessora política do Sisejufe, Vera Miranda, conduziu a dinâmica do planejamento. “A entidade tem que estar preparada se quiser continuar como protagonista nas lutas dos servidores.” Ela chamou a atenção para as novas lideranças que surgiram no movimento o ano passado e para a nova direção da Fenajufe que será escolhida no 9º Congrejufe.

Sindicato define metas e estratégias para 2016

Fernanda

Após a análise política e conjuntural, os diretores do Sisejufe apresentaram os projetos e orçamentos dos departamentos e núcleos para 2016. Um dos destaques será a realização de seminários para aprofundar o debate sobre a saúde do trabalhador, com foco no setor público. O projeto Adoecer não é legal, que inclui a realização de dois seminários e quatro atividades, envolverá os departamentos de Saúde, Jurídico e Formação Sindical, com a meta de discutir e apresentar soluções para questões como precarização do trabalho, combate ao assédio moral produtivista, novas doenças ocupacionais, terceirização e redução da jornada de trabalho. Um dos objetivos é mapear os acidentes de trabalho, mostrando que a cobrança excessiva de metas e o sistema de virtualização no Poder Judiciário da União levam ao adoecimento dos servidores. Esses temas também serão pauta dos seminários de formação política e sindical. “O desafio é mostrar que as doenças geradas a partir do assédio moral e de lesões por esforço repetitivo devem ser caracterizadas como acidente de trabalho”, afirmou a assessora política do Sisejufe Vera Miranda.

Foco no interior e parceria com outras entidades

Edson

A diretoria também estabeleceu como prioridade consolidar a política de integração, ampliando o número de cidades visitadas no ano para garantir uma maior aproximação com os servidores do interior, Baixada Fluminense e Região Metropolitana. O projeto itinerante do Jurídico também será fortalecido. Outra meta é construir uma cultura de parceria com outros sindicatos e instituições que possibilitem o uso de infraestrutura e logística dessas entidades para a realização de atividades políticas, culturais e de lazer, construindo ações para fora dos muros do Judiciário.

Entendendo o sindicato como uma instituição que tem um papel para além da função corporativa, os diretores do Sisejufe estabeleceram o compromisso de aumentar o engajamento e apoio à pauta de movimentos sociais que lutam pelo empoderamento das mulheres e contra o extermínio da juventude negra, a homofobia e a intolerância religiosa.

Aprimoramento do acervo, capacitação profissional e projetos culturais

Em 2016, o Sisejufe dará continuidade ao processo de modernização da infraestrutura e acessibilidade dos equipamentos das sedes campestre e administrativa. Entre as metas, destacam-se a atualização do parque informático e o aprimoramento do sistema de digitalização do acervo documental da entidade.

No Departamento de Formação e Capacitação Profissional, um dos objetivos é retomar os cursos presenciais de línguas estrangeiras, com abertura de turmas de inglês e francês já em março e espanhol no segundo semestre. A parceria com a UFRJ no curso de extensão sobre estudos medievais será renovada.

Entre as novidades do Departamento de Cultura, estão a realização de um concurso de fotografia e do projeto Cinema em Debate, além da oferta de curso de teatro. O Coral do Sisejufe e o apoio a lançamentos literários serão mantidos.  Este ano, haverá duas festas (Agostina e à Fantasia), além de happy hours e saraus, com objetivo de promover a integração da categoria.

O Departamento de Aposentados e Pensionistas vai intensificar o engajamento na luta pela aprovação da PEC 555 (que acaba com a contribuição previdenciária de servidores públicos aposentados) e dar continuidade à realização de eventos que promovam a melhoria da qualidade de vida dos idosos.

Ronaldo

O Sisejufe também vai ampliar o apoio aos projetos dos grupos de trabalho de Carreira e ainda Gênero e Raça, bem como o Coletivo de Técnicos Judiciários (Cotec/RJ) e dos núcleos dos Agentes de Segurança, Oficiais de Justiça e de Pessoas com Deficiência. Neste último, a proposta é se tornar espaço de referência na militância por acessibilidade e inclusão de pessoas com deficiência. Entre os projetos, destacam-se a realização de um seminário sobre acessibilidade no Poder Judiciário e a promoção do debate sobre a Lei Brasileira de Inclusão. Outro foco será a aproximação com outras entidades que militam nesta área, como a Ordem dos Advogados do Brasil.