Alto contraste Modo escuro A+ Aumentar fonte Aa Fonte original A- Diminuir fonte Linha guia Redefinir
Sindicato dos Servidores das Justiças Federais no estado do Rio de Janeiro - Telefone: (21) 2215-2443

Deu na Imprensa: Pastor inventa ter recebido intimação do TSE e faz falsa retratação a Lula

Pastor bolsonarista diz que Alexandre de Moraes determinou que ele afirmasse que o candidato do PT ‘não é a favor do aborto’; Corte, no entanto, alega que não emitiu decisão contra o religioso

Deu na Imprensa: Pastor inventa ter recebido intimação do TSE e faz falsa retratação a Lula, SISEJUFE

Reportagem publicada no Estadão revela que o pastor bolsonarista André Valadão foi às redes sociais nesta quarta-feira (19/10) encenar retratação de acusações feitas por ele contra o candidato Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Em vídeo, ele afirma que foi obrigado pelo ministro Alexandre de Moraes, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a dizer que o petista “não é a favor do aborto, da descriminalização das drogas e de liberar pequenos furtos”. O religioso fala com a voz embargada e, ao final da publicação, cita a liberdade de expressão e pede que “Deus abençoe o Brasil”. Contudo, o ministro ainda não emitiu nenhuma decisão sobre o processo citado pelo pastor.

“Dias atrás, recebi em minha residência uma intimação do TSE, através do senhor Alexandre de Moraes. Venho me declarar, a partir desta intimação, dizendo que Lula não é a favor do aborto (…) Lula não é a favor, literalmente, de colocar uma regulação na mídia onde você vai perder o poder de expressar sua opinião, expressar o seu culto. É isso. Deus abençoe o Brasil”, afirma.

Segundo o TSE, no entanto, ainda não houve qualquer decisão contra Valadão. A Corte apenas determinou que o pastor apresentasse a sua defesa em um processo movido pela coligação Brasil da Esperança, que abrange os partidos que compõem o palanque de Lula e do PT nestas eleições, que entrou com um pedido de direito de resposta contra Valadão. O candidato pede retratação por declarações feitas pelo pastor em suas redes sociais, associando o ex-presidente a furtos de celulares, por exemplo.

Só depois de apresentada a defesa, o ministro Alexandre de Moraes vai julgar o caso. Em resumo, o documento não pedia que o pastor gravasse vídeo recuando das acusações. A matéria completa está disponível neste link.

Fonte: Estadão

 

Últimas Notícias