SINDICATO DOS SERVIDORES DAS JUSTIÇAS FEDERAIS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO
Instagram YouTube

Sisejufe expõe desafios da profissão de oficial de justiça em audiência pública na Comissão de Segurança Pública da Câmara

tv camaraOs desafios e riscos da profissão de oficial de justiça foram debatidos em uma audiência pública, nesta terça-feira (9/7), na Comissão de  Segurança Pública da Câmara dos Deputados. A mesa foi composta pelos representantes das entidades em nível nacional, Fenassojaf, Fesojus e Fojebra e pelos deputados Daniel Silveira e Charlles Evangelista. Representantes do oficialato federal e estadual de todo o país participaram da reunião. O Sisejufe foi representado pela diretora do Núcleo de Oficiais de Justiça Avaliadores Federais (Nojaf), Mariana Liria.

A dirigente sindical lamentou que, em vista da grande mobilização na casa em torno da votação da proposta de extinção da Previdência Pública, o evento tenha contado com a presença de apenas três parlamentares. E criticou a ausência de representantes dos poderes Judiciário e Executivo. “Infelizmente é de se ressaltar a ausência do CNJ e do Governo, que também não enviou os representantes convidados. Por sua vez, entidades de base e oficiais de justiça de diversos estados lotaram o plenário”, afirmou.

Falta de apoio institucional

tv camara7Mariana destacou, na audiência pública, que o fator que gera o risco da profissão é a imprevisibilidade da reação do destinatário da ordem. “Dentro do quadro nacional, o Rio de Janeiro apresenta uma situação mais traumática devido às áreas conflagradas. Eu trabalho em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, e há quatro áreas de risco na minha área de atuação. Nós não temos acesso ao cadastro de informação de segurança e à folha penal do juridiscionado que vamos intimar. Ficamos desprovidos da possibilidade de nos organizar e prever o risco da diligência. Isso é muito grave. Não temos nenhum apoio institucional nas nossas diligências e não recebemos treinamento para agir em situações de risco”, criticou.

A diretora acrescentou que os oficiais de justiça não têm acesso a colete balístico, porte de arma institucional e segurança policial durante a execução dos mandados e, tampouco, um programa de acolhimento ao oficial vítima de violência.

Liria lembrou ainda que, em 2016, o segmento apresentou ao CNJ um requerimento com diversas propostas na área de segurança, mas até agora não houve resposta. A dirigente destacou que a audiência pública é importante para trazer ao Poder Legislativo essas demandas que não têm recebido a atenção devida do Judiciário.

Exposição ao risco ignorada

O presidente da Fenassojaf, Neemias Ramos Freire, enfatizou que os oficiais de justiça possuem uma situação muito peculiar: “temos praticamente as mesmas funções de algumas atividades policiais, como a Força Nacional de Segurança, por exemplo, e não temos nenhum recurso para exercer essas funções”.

Neemias ressaltou, ainda, a atividade de risco exercida pelo oficialato. “Na maioria das vezes, nós exercemos a nossa função sozinhos, em locais violentos, expostos à violência das ruas, sem ter possibilidade, muitas vezes, de chamar a polícia militar”.

O Oficial de Justiça lembrou que há 14 anos a classe luta pela conquista de uma aposentadoria diferenciada e não obteve eco no Congresso Nacional.

Dados apresentados durante a participação da Fenassojaf na audiência mostram que, nos últimos quatro anos, 326 Oficiais de Justiça foram vítimas de ameaças; 230 com lesão corporal; 138 de furtos e roubos e 81 homicídios num total de 775 ocorrências em todo o país.

Estratégias conjuntas 

Mariana Liria avaliou que, mesmo sem a almejada interlocução, o evento cumpriu o papel primordial de trazer visibilidade para o segmento. “Renovamos a reivindicação do atendimento de pautas nessa Casa e sedimentamos os elos que vêm sendo estabelecidos entre federais e estaduais de todo o Brasil. Unidos, vamos traçar estratégias conjuntas para que possamos diminuir os riscos a que estamos expostas no dia a dia da nossa profissão. Essa questão da segurança do oficialato sempre foi prioridade do Nojaf e do próprio Sisejufe e continuará sendo nossa bandeira de luta”, concluiu a diretora do Sisejufe. Assista aqui a participação da dirigente sindical.