SINDICATO DOS SERVIDORES DAS JUSTIÇAS FEDERAIS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO
Instagram YouTube

Centrais rumo à Greve Geral desta sexta-feira

Sisejufe está participando das reuniões de mobilização

A Greve Geral desta sexta-feira (14/6) já está nas ruas. O momento é de grande união da classe trabalhadora em defesa da aposentadoria. Até o início da tarde desta quarta-feira, 55 sindicatos do estado do Rio de Janeiro já haviam aprovado a adesão à paralisação e outros já têm assembleias marcadas. “Essa Reforma da Previdência é cruel”, critica o dirigente da CTB RJ Paulinho Farias, em coletiva para a imprensa realizada pela manhã na CUT Rio.

“Quando começamos a organizar essa greve, a gente viu uma disposição muito grande, temos um clima muito bom comparando com outras greves que nós vivemos”, avaliou o vice-presidente da Força Sindical, Marquinhos Lagos. Ele também comemora o grande número de cidades envolvidas. Só o Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação estará mobilizado em pelo menos 30 cidades.

“Hoje temos uma realidade na qual o trabalhador que ganha um salário mínimo tem muito medo de perder a fonte de renda, por isso só param se não houver transporte”, lembrou a representante da CUT Rio Keila Machado. Essa paralisação já está no horizonte: os rodoviários estão confirmados e é esperada a manifestação dos aquaviários, metroviários e ferroviários que ainda têm assembleias para acontecer.

Gualberto Piteu, da CSP-Conlutas, informa que a Greve Geral deve começar com paralisações a partir das 0h desta sexta-feira. O dia está agendado para terminar com um ato unificado com concentração na Candelária a partir das 15 horas. A caminhada está prevista para 17h.

Plenária

Na noite desta terça-feira, dezenas de sindicatos estiveram na plenária das centrais de mobilização para a Greve Geral. Anny Figueiredo, do Conselho de Representantes do Sisejufe acompanhou a reunião. A dirigente ressaltou a unidade de todas as centrais na construção desta grande mobilização e destacou a participação de outros sindicatos de servidores na paralisação, como o Sindjustiça.

 

Com informações da CUT/RIO