SINDICATO DOS SERVIDORES DAS JUSTIÇAS FEDERAIS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO
REDES SOCIAIS
YouTube

Última parcela do reajuste do PCS sai no contracheque de janeiro de 2019

Veja neste link a tabela com valores da 8ª parcela 

Os servidores do Judiciário Federal receberão, no contracheque de janeiro de 2019, a 8ª e última parcela do reajuste referente ao Plano de Cargos e Salários (Lei 13.317/16). A correção é resultado da mobilização e da luta da categoria e da direção do Sisejufe.

O reajuste de 41% foi sancionado em julho de 2016, depois de uma histórica tramitação na Câmara e no Senado, que foi acompanhada dia a dia pelos servidores e a diretoria do sindicato. 

O presidente do Sisejufe, Valter Nogueira, avalia que, a partir de agora, será preciso definir uma nova estratégia. “A categoria tem que estar preparada para muita luta. Será necessário descobrir alternativas para garantir a valorização salarial. Vamos viver nos próximos anos um período de mais restrições devido à PEC do Teto de gastos e ao cenário político de incertezas”, afirma.

RELEMBRE A LUTA DO REAJUSTE SALARIAL

A vitória da categoria foi resultado da política coerente da direção do Sisejufe, que não deixou de acreditar e trabalhou enfaticamente para garantir o aumento de 41% para o funcionalismo. A mobilização dos servidores também foi preponderante para o resultado final. “A aprovação desse projeto foi um marco importante para os servidores do Judiciário porque foi o possível dentro de um cenário econômico tão conturbado. Foi a vitória daqueles que não aceitaram o zero: a esmagadora maioria da categoria”, afirmou Valter Nogueira na época.

DERRUBADA DO VETO 26

O ano de 2015 foi um divisor de águas para a categoria, que despertou e reconheceu seu potencial, que talvez estivesse adormecido. No Congresso, seja participando do “exército do terno”, seja no “exército do apito”, os integrantes das caravanas passaram fome e sede. Servidores foram humilhados, desacreditados, ridicularizados pela grande imprensa do país inteiro. No entanto, juntos, base e sindicato se organizaram como nunca antes, saindo da invisibilidade para as primeiras páginas dos jornais, incomodando profundamente, fazendo um barulho ensurdecedor que machucou os brios da Câmara e do Senado.

Todos foram incansáveis no movimento pela derrubada do veto 26, assim como toda a direção do Sisejufe – entidade que pioneiramente encampou a bandeira de ressuscitar o então desacreditado PL 6613. Quando o Veto 26 não foi derrubado no Congresso, foi preciso sacudir a poeira, dar a volta por cima e brigar pelo possível, pelo viável que ia começar a recompor as perdas salariais dos colegas já tão sacrificados por anos de desvalorização.

TRAMITAÇÃO NA CÂMARA E NO SENADO

A crise política que assolou o país naquele período atingiu em cheio a pretensão de aprovar o PL 2648 rapidamente. Mas após longa tramitação, o projeto foi aprovado no plenário da Câmara dos Deputados no dia 1º de junho de 2016. Na tramitação do Senado, já como PLC 29/2016, também foram necessárias muitas vigílias da categoria. O projeto foi aprovado no dia 30 de junho de 2016. A tática de negociação e pressão dos diretores do Sisejufe e servidores da base junto aos deputados e senadores foi decisiva para a aprovação do projeto no Congresso Nacional. O PLC virou Lei em 20 de julho de 2016, último dia permitido para a sanção presidencial. A categoria recebeu a primeira parcela do reajuste em folha suplementar naquele mesmo mês.