SINDICATO DOS SERVIDORES DAS JUSTIÇAS FEDERAIS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO
Instagram YouTube

Cotec-RJ define plano de lutas pela aprovação do Projeto de Lei do NS

O Coletivo de Técnicos do Judiciário Federal (Cotec-RJ) definiu na noite desta quinta-feira (3/3), um plano de lutas para aprovação do Projeto de Lei do Nível Superior, que altera o critério de ingresso na carreira de técnico do PJU. A reunião foi realizada no auditório do Sisejufe, no Centro do Rio de Janeiro.

O anteprojeto do NS, como está sendo chamado, está no Supremo Tribunal Federal (STF). Em reunião na semana passada com os diretores do Sisejufe Luis Amauri, Mauro Figueiredo, Ronaldo das Virgens e Soraia Marca, o diretor-geral do STF, Amarildo Vieira, se comprometeu a atuar para dar celeridade à tramitação da proposta.

cotec 3 de março 3O plano de lutas aprovado ontem pelos integrantes do Cotec-RJ inclui a proposição à Fenajufe de um calendário de manifestações pela aprovação do NS para técnicos com chamada nacional nas seguintes datas: 18 de maio, 15 de junho, 20 de julho, 17 de agosto e 21 de setembro. Também foi deliberada a organização de uma força-tarefa para envio de emails pelos servidores solicitando apoio ao NS para técnicos aos tribunais superiores. Foi aprovado um adendo destacando que as mensagens sejam enviadas também aos parlamentares quando o projeto de lei chegar ao Congresso.

Outro item do plano de lutas referendado, porém com duas abstenções, é o encaminhamento de ofícios aos tribunais superiores solicitando agendamento de reunião com participação dos diretores do Sisejufe que compõem o Cotec, se possível dentro do mês de maio, para pedir apoio ao anteprojeto do NS.

cotec 3 de março 4O coletivo incluiu no plano de lutas três propostas: a realização de palestras de esclarecimento nos tribunais da capital e do interior do estado; a elaboração de uma página própria no Facebook e a criação de um espaço fixo no site do Sisejufe para divulgação das notícias relacionadas ao Cotec.

A servidora Raquel Albano comemorou a aprovação do plano de lutas e convocou os servidores a participarem do movimento. “Peço que os técnicos venham, que encham essas cadeiras. É um ambiente prazeroso. Tirar uma hora e meia da nossa rotina para vir aqui nos faz bem. Ouvimos todas as tendências. Todos são acolhidos. Transmitam isso aos nossos colegas”, afirmou.

“A gente não pode dar carta branca para que o sindicato lute pelos nossos direitos. Os técnicos têm que se mobilizar. Não basta ser sindicalizado, tem que participar”, acrescentou o diretor Mauro Figueiredo.